quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

REALIZADA CAPACITAÇÃO DE MEDIADORES DA PRIMEIRA TURMA DO CEJUSC REGIONAL DE PELOTAS

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), por meio do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (NUPEMEC/TJRS), capacitou 21 novos mediadores para atuarem no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania Regional de Pelotas (CEJUSC), com curso presencial de 40 horas, realizado de 12 a 16 de dezembro, nas dependências do Foro da Comarca de Pelotas.

A capacitação foi promovida pelo NUPEMEC e ministrada pelos instrutores supervisores de mediação capacitados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e NUPEMEC/TJRS Henrique Alam de Mello de Souza e Silva, Maria Inês Alves de Campos e Vanessa Souza da Silva.

Os novos mediadores ainda participarão de estágio supervisionado e atuarão junto ao CEJUSC de Pelotas e às Comarcas de Arroio Grande, Canguçu, Pinheiro Machado e São Lourenço, atendendo casos enviados pelos juízes das varas cíveis das comarcas.
Novos Mediadores passarão a atuar na região no ano de 2017


De acordo com o Juiz de Direito Coordenador do CEJUSC Regional de Pelotas, Marcelo Malizia Cabral, “a regionalização do CEJUSC Pelotas é uma vitória para todos os jurisdicionados abrangidos, porque terão outra opção para solucionar seus conflitos, além da via já conhecida da sentença”. Malizia enfatizou que “a mediação costuma ser uma excelente forma da construção da paz entre as pessoas, porque o processo judicial pode acirrar ainda mais os ânimos, com audiências, prazos e recursos. A conversa com o mediador auxilia a que os envolvidos busquem soluções que satisfaçam os interesses de todos”.


O curso básico para mediadores segue as diretrizes da Resolução n.º 125/2010 do CNJ (que dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário). Mas, segundo os instrutores supervisores, vai além de atender a uma metodologia: para eles, “o que mais se ouve dos depoimentos dos alunos é que a capacitação os encoraja para perceberem que o conflito pode ser uma oportunidade de crescimento e mudança. Somente assim é que poderão auxiliar outras pessoas a melhor manejarem as disputas de interesses apresentados nos casos de mediação”.

Estatística de Mediação Pré-Processual Familiar no Posto da UCPEL no mês de dezembro